logo_anba_pt logo_camera_pt
10/08/2017 - 12:10hs
Compartilhe:

Mostra de cinema árabe começa com tema da imigração

Primeiro filme foi exibido nesta quarta-feira (09) no CineSesc, na capital paulista, e trouxe história de libanês que migrou para o Brasil, em uma produção restaurada de 1957.



São Paulo – Das montanhas do Líbano, vivendo uma rotina bucólica de cuidar da roça e alimentar as criações, um pai de família resolve se mudar para o Brasil em busca de riqueza para a família. Retratando um país e uma realidade da imigração da metade do século passado, o filme “Para Onde Ir?” inaugurou a 12ª Mostra Mundo Árabe de Cinema nesta quarta-feira (09) pela noite, no CineSesc, na capital paulista, com sala cheia.

Divulgação

Libanês conversa com a cunhada sobre migrar

Com o título original “Ila Ayn?”, o filme em preto e branco é de 1957 e foi exibido pela primeira vez no Brasil durante a mostra, que é promovida pelo Instituto da Cultura Árabe (Icarabe) e Sesc-SP e tem patrocínio da Câmara de Comércio Árabe Brasileira. A obra dirigida pelo diretor libanês Georges Nasser foi restaurada e apresentada no Festival de Cannes, na França, neste ano. Além de ter feito parte da abertura da mostra, o filme poderá ser visto neste domingo, dia 13, às 21 horas.

Diferente da maioria das histórias conhecidas dos brasileiros, “Para Onde Ir?” não mostra um caso de sucesso na imigração. O chefe de família parte para o Brasil deixando por conta da mulher o cuidado da casa, do campo e dos dois filhos, e fica vinte anos sem dar notícias. Os meninos crescem e ajudam a cuidar de tudo, mas é só quando o mais novo já é adulto e também quer migrar para o Brasil que o pai retorna. Ele, porém, não tem boas notícias para dar.

Apesar do drama familiar, a obra mostra um Líbano de paisagem deslumbrante, de casas encrustadas nas montanhas e de uma rotina singela e bonita de cuidar de galinhas, tirar leite de vacas e ter amizade com os vizinhos. Há restrição financeira, mas o casamento do filho mais velho do casal com a vizinha tem comida farta, muita dança e solidariedade. O jeito de namorar e casar libanês, feito de afinidades quase que familiares, também está na tela.

Isaura Daniel/ANBA

Silvia Antibas (centro) participou da abertura

“É o primeiro filme de ficção que trata da imigração árabe no Brasil”, afirmou Geraldo Adriano Godoy de Campos, curador da mostra juntamente com a diretora cultural da Câmara Árabe, Silvia Antibas. O tema da mostra é “O Território que me Atravessa” e, de acordo com Campos, vai conectar duas pontas importantes dentro do assunto: os fluxos migratórios árabes que formaram a sociedade brasileira e os fluxos atuais de migrantes e refugiados.

“Vai tratar da relação que as pessoas têm como os territórios justamente quando a gente enfrenta globalmente a questão dos deslocamentos humanos forçados”, afirma Campos. O curador define a programação da mostra como um convite para afirmar o posicionamento e o papel que o cinema tem perante a proliferação de discursos que defendem construção de muros, aumento de barreiras e fronteiras, expulsão de pessoas e xenofobia.

A mostra segue até o dia 16 de agosto e terá 11 produções cinematográficas. O diretor da Câmara Árabe, Mohamad Orra Mourad, que já viu vários dos filmes que serão exibidos, afirma que são todos de ótima qualidade e ressalta a presença tanto de documentários como de ficções na mostra, além de realidades de hoje e do passado. Segundo o diretor, os filmes ajudam o público a dar menos valor a coisas materiais e mais àquelas com as quais as pessoas nascem com direito, como a liberdade e a possibilidade de ir e vir.

Isaura Daniel/ANBA

Sala cheia na abertura da mostra no CineSesc

Na abertura da mostra, o presidente do Icarabe, Mohamed Habib, ressaltou as diferenças entre os deslocamentos árabes do passado e os atuais. Segundo ele, os árabes sempre foram nômades por opção, mas hoje são obrigados a partir. O presidente afirmou que a mostra tem tudo a ver com a conjuntura atual. “O Oriente Médio passar por uma crise nunca antes vista com essa complexidade e também o Brasil está passando por sua crise”.

De acordo com a diretora cultural da Câmara Árabe, a entidade participa da iniciativa porque entende que é importante divulgar a cultura árabe. “É a nossa maneira de mostrar a cultura, o modo de pensar dos árabes”, afirmou Antibas à ANBA. Na inauguração da mostra, a diretora ressaltou a expansão que a Câmara Árabe está fazendo na área cultural e se mostrou emocionada com o tema do primeiro filme, a imigração árabe, parte da sua própria história familiar.

A inauguração da mostra também teve a presença do diretor e roteirista do filme “Yamo”, o libanês Rami Nihawi. A produção será exibida nesta sexta-feira (11), às 19 horas, seguida de um debate com o diretor. O filme é um documentário feito a partir da história da mãe de Nihawi e traz um retrato da Guerra Civil do Líbano e seus efeitos na memória coletiva do país e no cotidiano das pessoas. Ele nunca foi exibido antes no Brasil, segundo o Icarabe.

Isaura Daniel/ANBA

Lideranças da Câmara Árabe foram à mostra

Nihawi também é produtor de outro filme importante da programação, que é “Fora do Quadro: Revolução até a vitória”. O documentário foi feito por França, Palestina, Líbano e Catar, com direção de Mohanad Yaqubi. Campos ressalta que ele foi construído a parte de imagens de arquivo que sobraram do cinema palestino e cujo resgate foi feito pelo diretor, que percorreu o mundo atrás dos arquivos. “O cinema palestino teve que enfrentar ao longo da sua história a destruição das películas, dos negativos, dos rolos de filmes”, relata Campos.

Todos os filmes podem ser vistos no CineSesc e os ingressos podem ser adquiridos no local. Também faz parte da programação o concerto Al-Mu’tamid, que será apresentado no próximo sábado (12) na Sala São Paulo, na capital paulista. No espetáculo músicos do Marrocos, Portugal e Espanha reproduzem canções escritas pelo poeta rei e monarca Al-Mu’tamid no século 11. Ele governou o que hoje corresponde ao território do Sul de Portugal até Gibraltar.

Serviço:
12ª Mostra Mundo Árabe de Cinema de 2017
De 9 a 16 de agosto de 2017
Local: Cinesesc
Rua Augusta, 2075, Cerqueira César - São Paulo - SP
Informações: (11) 3087-0500 - email@cinesesc.sescsp.org.br
Ingressos: inteira R$ 12 - meia entrada R$ 6 - credencial Sesc R$3,50
Programação: http://www.icarabe.org/node/3127

Enviar por E-mail:





Comentários

Seu comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.





imagem_form